Participe da segunda etapa do Plano Político Socioprofissionalizante da Fundação Projeto Pescar

Aquele dia top na vida dos jovens da Unidade Kenerson GO Eyewear!
18 de setembro de 2019
Turmas de SC e PR exercitam o protagonismo em Encontro Anual de Jovens
27 de setembro de 2019
Exibir tudo

Turma da Unidade Vicunha Têxtil, em Maracanaú/CE

Os participantes da Rede Projeto Pescar tem até o dia 4 de outubro para aprovar/sugerir e/ou avaliar os pilares do Programa Social Pescar, ou seja, os conceitos que vão sustentar as atividades nas Unidades do Projeto Pescar em todo o Brasil. Esta é a segunda etapa do Plano Político Socioprofissionalizante, que vem sendo organizado pela área da  Qualificação e Aprimoramento e conta com  a participação ativa dos  Supervisores, Equipe Técnica, Diretoria e um Grupo de Trabalho Especial da Fundação Projeto Pescar.

Toda a organização do Plano Político Socioprofissionalizante está sendo compartilhada na Rede Colaborativa Pescar (canal de comunicação interna) para contar com a participação de todos os  educadores sociais, articuladores, voluntários e jovens. A expectativa agora, explica a designer instrucional, Luana Cavalcante, é a de que os educadores sociais possam olhar, discutir e compartilhar com os adolescentes o conteúdo construído até aqui, propondo conexões com as práticas vivenciadas nos cursos: “É muito importante planejar atividades para a turma com utilizando os pilares, pois ao envolver o público beneficiário é possível organizar um Plano Político Socioprofissionalizante eficiente, servindo como norteador para todos os envolvidos na formação do jovem Pescar.”

Os comentários postados na Rede Colaborativa Pescar serão importantes insumos para a  área  de Qualificação e Acompanhamento, que está responsável pela curadoria dos materiais organizados em  cada etapa.


Plano Político Socioprofissionalizante Pescar– Documento que está sendo organizado com a colaboração de todos os envolvidos na Rede Projeto Pescar e que define  os objetivos e  principais diretrizes do processo de  aprendizagem. Visa o aprimoramento das metodologias  educativas, institui as trilhas pedagógicas como  ferramentas  “vivas” para  elaborar  os   conteúdos  a serem trabalhados nos diferentes cursos oferecidos pela entidade de assistência social e  potencializa a geração de  maior  sinergia entre todos  os  atores  envolvidos no processo qualificação dos jovens atendidos.