Egressos Léo, Tamiris e Tamires transformam a vida de jovens do Projeto Pescar - Projeto Pescar

Egressos Léo, Tamiris e Tamires transformam a vida de jovens do Projeto Pescar

Jovens da Unidade Comunidade Jurídico-Trabalhista encantam Presidentes e Ouvidores dos TRTs do Brasil
9 de janeiro de 2020
GaúchaZH conta a história de jovem da Unidade Agibank que viveu a experiência do trabalho infantil
27 de janeiro de 2020
Exibir tudo

Três egressos do Projeto Pescar atuaram no ano de 2019, como educadores sociais da Fundação Projeto Pescar. Léo da Silva (Unidade Fundação Franscisco Xavier Kunst), Tamires de Magalhães (Unidade Instituto Lojas Renner) e Tamiris Motta (Unidade Midea Carrier) trazem com cada um deles uma história de transformação, que hoje é compartilhada com os jovens atendidos e com todos os participantes da Rede Pescar.
Durante o curso, Léo da Silva, se identificou completamente com a causa: “Gosto de pensar que ser jovem no ano de 2005 foi um “chamado”, pois logo de cara me apaixonei por tudo… era como se o fundador, Geraldo Linck, tivesse me tocado diretamente. Eu via as mudanças que meus colegas de turma estavam passando, sem falar nas transformações pelas quais eu mesmo sentia, e isso me encantava. Na metade do curso estava decidido que minha história no Pescar não seria somente como jovem. Prometi para mim mesmo e para a educadora que um dia retornaria como educador do Projeto Pescar.”

Léo da Silva é educador social na Unidade Fundação Francisco Xavier Kunst.


Depois de atuar como professor, Léo passou a conciliar a sua carreira com o voluntariado em cinco Unidades da região metropolitana e capital gaúcha, demostrando grande comprometimento nas atividades de comunicação, expressão corporal, empreendedorismo, LIBRAS, teatro e dança. Agora, como educador social, realiza o desejo fixado há 14 anos atrás, de transformar vidas.

 Após a conclusão do curso, Tamiris Motta foi voluntária e estagiária do Projeto Pescar na Unidade em que concluiu o curso



Tamiris Motta diz o quanto é importante para ela estar vinculada ao Projeto Pescar: “Mesmo que não fosse educadora social, eu estaria atuando de alguma forma, porque é muito gratificante estar aqui e saber que independente da Unidade em que esteja, o trabalho desenvolvido pelos colegas tem o mesmo propósito: “Não é porque a pessoa tem uma formação e experiência, que vai ensinar algo para os jovens. Bem pelo contrário, a gente aprende muito todos os dias, porque é impossível não se conectar com as histórias dos adolescentes, com o crescimento das turmas. Para quem está começando agora, eu sempre falo que é uma oportunidade muito grande para o jovem, mas quando nos colocamos no lugar de “aprendizes”, crescemos muito mais.”
Segundo Tamires Oliveira de Magalhães, o fato do curso ter feito total diferença na sua trajetória e história de vida, fez nascer nela uma vontade imensa de retribuir um pouco da experiencia vivida: “Passei a me voluntariar em grupos de adolescentes e jovens e aos poucos fui ajudando cada um deles a serem verdadeiros agentes de mudança dentro da própria comunidade. Se considerarmos esta grande corrente do bem, sendo compartilhada em uma grande rede, teremos milhares de novas vidas transformadas”, assegura. “Não tenho palavras para agradecer a todos da Fundação Projeto Pescar, pois de fato  cumprem fielmente com seu o propósito. Cada jovem é uma semente, que a seu tempo dará grandes frutos. Hoje, com muito orgulho, sou egressa e educadora social. Agradeço a Deus por ter sido agraciada com esta oportunidade, que tem transformado vidas em todo o território nacional e, em breve, no mundo.” 

Tamires de Magalhães comemora a experiência de participar da formação dos jovens da Unidade Instituto Lojas Renner